Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Gazeta do Repórter

Informar e acompanhar a cultura, desporto e reportagens. Dar voz a quem não a tem e dar destaque a quem merece ser destacado!

Deficientes: Um Exemplo de Partilha

12.12.19 | Rogério Rosa

deficientes.png

          Quando se tem limitações, a vida torna-se complicada. Nasce-se sempre com os olhares dos outros por pena.
          Há instituições, que defendem, que acompanham e encaminham, mas todo o percurso tem de ser feito por cada um de nós, deficientes. Sendo que, a Sociedade parece estar mais afastada, que próxima ou condescendente. Todos sabemos que, o pensamento de toda a gente serve sempre como clichê "Só acontecer aos outros", mas quando acontece a alguém, a pergunta passa a ser "Porquê a mim"? Isto significa, falta de sensibilidade, educação e cultura. Tem de ser através de campanhas, de programas de sensibilização, capazes de poder mudar mentalidades, radicar preconceitos.
          Passei por coisas inacreditáveis no Centro de Emprego. Gente que não sabia como me atender. Um estágio, num jardim, como se eu visse bem. Onde depois do erro do Técnico de Emprego, não quis desistir e fui até ao fim. Quis também provar que, embora isto não se faça, mas que ainda assim, tive capacidade de fazer aquela tarefa, para a qual não via bem para tal. Outra consequência da deficiência e preconceito, passou-se na Tap e comigo. Fui a uma entrevista de emprego com outro ambliope como eu. Chegados, entrámos e fomos entrevistados ao mesmo tempo para a copa de aeronaves. O meu colega assinou com a cabeça quase encostada ao papel e eu, pelo contrário, assinei como se visse bem. Ele saiu primeiro e as Psicólogas, entre-olhares e comentaram "como é que ele quer ir para a copa se não vê bem?". O facto é que eu entrei e fiquei 2 anos e meio. Provei, que era capaz e que outros deficientes também seriam.
          Hoje, houve encontro de pessoas com as suas fragilidades e que partilharam o que têm conquistado na vida pessoal e na escola. Foi na Fundação Liga conjunto com a Oed. Melhoras institucional na Oed? Numa equipa de sucesso não se mexe!
O que seria ótimo, era que as sensibilizações devem começar no ensino básico, passando para o secundário e terminando no ensino superior. Em Licenciaturas de Educação Social e Serviço Social, cursos específicos, onde se vai lidar com as pessoas e suas necessidades, são o que deveriam ser prioritários.
          A Comunicação Social, deveria dar mais destaque a casos de grande sucesso, entre pessoas deficientes, sendo estas, que têm tido mais medalhas que outros e que são menos falados e acarinhados. Falam de da vida de todos os famosos e nunca uma linha sobre atores e ou músicos cegos. O Grupo de Teatro Acreart, sediado na Academia Recreio Artístico, formado por cegos e ambliopes, fadistas cegos, etc.